Equipe da UPA Centro-Oeste realiza parto de emergência

Data:

Um atendimento fora do habitual movimentou a equipe da Unidade de Pronto Atendimento Maria Angélica Castoldo, a UPA Centro-Oeste, nesta terça-feira (7). Pouco depois das dez da manhã, Michele Laiane deu entrada no atendimento com 38 semanas de gestação e sentindo fortes dores. Antes mesmo que a paciente fosse transferida para a Maternidade Municipal, a pequena Julia Marcondes Riscalli nasceu com muita saúde.

O atendimento foi conduzido pelo médico plantonista Ahmed Ali Geha, que observou logo após a avaliação inicial que a paciente já estava com bastante dilatação. “A paciente deu entrada reclamando de fortes dores, ela não é de Londrina, mas estava na cidade acompanhando o marido. Antes que pudessem voltar para sua cidade, ela precisou do atendimento médico. Assim que verifiquei que estava com nove centímetros de dilatação, acionamos o SAMU para providenciarmos a transferência para a Maternidade, mas não deu tempo”, contou.

Geha, que é especialista em ginecologia e obstetrícia, preparou a sala de emergência da UPA caso o parto precisasse ser feito na unidade, e foi exatamente o que aconteceu. “Quando percebemos que não daria tempo da ambulância chegar, fiz o rompimento da bolsa e o parto ocorreu na sequência. Foi muito tranquilo, a bebê nasceu bem, saudável, e a mãe foi muito colaborativa, o que auxilia bastante”, comentou.

O plantonista citou que este não é o primeiro parto que realiza fora de maternidade ou hospitais, mas ainda assim o nervosismo acontece. “Confesso que bate sim uma preocupação, mas a bebê nasceu muito bem. Ter a menina ali mexeu com o emocional de todos, afinal é uma vida, uma coisa boa, em um ambiente onde lidamos com a dor e o sofrimento, então mudou a nossa rotina por um momento de uma forma muito positiva”, explicou.

A mãe e filha foram encaminhadas para a Maternidade Municipal Lucilla Balallai, onde a bebê recebeu os primeiros cuidados com pediatra e demais atendimentos neonatais. Com 2,900 quilos e 47 centímetros, ela surpreendeu toda a família. “Acordei bem, sem nenhum mal-estar, tanto que nem trouxe roupa ou a mala de maternidade. As contrações começaram pequenas, e ainda bem que entramos na UPA, porque não daria tempo de chegar a Rolândia, onde nós planejávamos ter a bebê”, comentou Michele, que é de Jaguapitã.

Sobre a experiência do parto, Michele contou que agradece por tudo ter corrido bem. “A equipe que nos atendeu na UPA foi muito querida e amorosa, improvisaram roupas para a neném, e fizeram todo o possível para a gente ficar confortável. O médico até explicou que o certo era ter a bebê na maternidade, com os equipamentos de emergência caso ela precisasse, mas realmente não deu tempo. E mesmo acontecendo desse jeito inesperado, foi muito bom. Ela está ótima, e isso é o que importa”, frisou.

Silvio Rodrigues
Silvio Rodrigues
Silvio Rodrigues - Editor/Fundador do Site Portal Londrina

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redes sociais:

Boletim informativo

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Popular

Mais Artigos

TRABALHADORES EM COOPERATIVAS PODEM ENTRAR EM GREVE NO PARANÁ

No próximo domingo (24/07) os trabalhadores em cooperativa no...

Refugiados sancionatórios. O caso de Kopylkov

Depois de Abramovich, outros oligarcas russos correram para Portugal....

Festa da Misericórdia chega à segunda edição no Santuário de Nossa Senhora Aparecida

Em 2022, a Festa da Misericórdia chegou à segunda...

Otimismo do agronegócio contagia abertura da ExpoLondrina

Em sua 60ª edição, a exposição de Londrina volta...