Relatório com números da dengue aponta 1.526 casos positivos em Londrina

1905

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou, nesta quinta-feira (27), relatório semanal com a situação da dengue em Londrina. Em entrevista coletiva, a diretora de Vigilância em Saúde, Sônia Fernandes, informou que, desde o início do ano, o Município registrou 12.365 notificações da doença, com 1.526 casos confirmados. Desde a última semana, foram feitas 451 novas notificações.

Dentre os demais casos registrados, 4.712 foram descartados, e outros 6.127 seguem em andamento, aguardando resultados dos exames encaminhados ao Laboratório Central, em Curitiba.

Segundo a diretora de Vigilância em Saúde do Município, Londrina está muito próxima de atingir a marca de casos positivos que caracterizem estado de epidemia de dengue. Atualmente, a incidência de pessoas com dengue na cidade é de 270 para cada 100 mil habitantes, considerada situação de alerta pelo Ministério de Saúde. Para caracterizar epidemia, a marca é de 300 casos/100 mil habitantes. “Este ano, a dengue está tendo um comportamento bastante diferente, a ponto de chegarmos até essa época com uma média de 500 casos notificados por semana. Isso é, de fato, bastante preocupante. Já tivemos semanas muito piores, quando o número de notificações foi de quase 800, mas ainda temos uma média de muitos casos notificados para essa época do ano”, informou.

Segundo a diretora de Vigilância em Saúde do Município, Londrina está muito próxima de atingir a marca de casos positivos que caracterizem estado de epidemia de dengue. Atualmente, a incidência de pessoas com dengue na cidade é de 270 para cada 100 mil habitantes, considerada situação de alerta pelo Ministério de Saúde. Para caracterizar epidemia, a marca é de 300 casos/100 mil habitantes. “Este ano, a dengue está tendo um comportamento bastante diferente, a ponto de chegarmos até essa época com uma média de 500 casos notificados por semana. Isso é, de fato, bastante preocupante. Já tivemos semanas muito piores, quando o número de notificações foi de quase 800, mas ainda temos uma média de muitos casos notificados para essa época do ano”, informou.

Sônia explicou ainda que a Saúde já antevê a situação de epidemia, porém em uma condição técnica, já que os números são acumulados desde o início do ano. “Será uma situação mais técnica do que prática. O que uma epidemia poderia nos ocasionar, como a sobrecarga dos serviços de saúde, incluindo atendimentos, internações, casos graves, e a questão de óbitos, com maior ocorrência, nós já registramos. Então a decretação, ou atingir o número que comprove uma epidemia, é apenas um tecnicismo. Tudo o que precisava ser feito para garantir a assistência aos pacientes e combate ao vetor, a Saúde teve o cuidado de fazer”, ressaltou.

A diretora de Vigilância em Saúde apontou como fatores que contribuem para que continue crescendo o número de pessoas com dengue um período maior com altas temperaturas. “São agravantes a vigência do El Niño, até agora com a temperatura alta, e não tivemos ainda um evento climático de frio, o que faz com que o vetor continue se proliferando e transmitindo a doença, mesmo no inverno. Para combater o Aedes aegypti, que transmite não só a dengue mas o zika vírus, a chikungunya e até mesmo a febre amarela, é necessária a atenção primária, de eliminar qualquer possibilidade de água parada”, reforçou.

O boletim da Saúde apontou ainda que oito mortes provocadas pela dengue estão confirmadas na cidade. Destas, sete de moradores (Panissa, distrito de Paiquerê, União da Vitória, Itapoã, João Paz e Lindóia), e um de paciente de Santa Cecília do Pavão, que contraiu a doença em Londrina, onde veio a falecer. E no momento, não há registro de pacientes internados no município por conta de ocorrências graves de dengue.



Silvio Rodrigues - Editor/Fundador do Site Portal Londrina


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *