A Alta tem 5 dicas para uma estação de monta produtiva

Entre os meses de novembro e março é realizada a estação de monta em grande parte das fazendas de corte, período em que a pastagem está mais abundante pela chegada das águas

0
2419

Um dos períodos mais importantes para um produtor dentro da fazenda é a estação de monta, por ela é determinado o início de um novo ciclo do plantel e qual será o resultado produtivo desse rebanho. O Gerente Advantage Corte da Alta e médico veterinário, Adnan Rodrigues, elencou cinco principais dicas para o produtor conseguir aumentar eficiência e rentabilidade no período reprodutivo. 

A primeira dica para ter uma estação reprodutiva de qualidade é o planejamento. Definir qual é o período que vai se iniciar a monta na propriedade, quanto tempo vai durar e a data de término. Dentro desse planejamento também é importante definir quais serão as estratégias reprodutivas para cada categoria de animais que vão participar: número de IATFs (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) e se vai ser realizado repasse com o touro. “Quando serão feitas? Como vão ser feitos os diagnósticos e sincronizações? Todos esses processos que serão utilizados durante a estação de monta devem estar bem claros e definidos. Com o planejamento prévio é possível minimizar surpresas e falhas durante a execução”, explica Adnan. 

A segunda dica para o sucesso dessa estação do rebanho é analisar o Escore de Condição Corporal (ECC) das fêmeas matrizes. A base de dados do programa Concept Plus mostra que as vacas com melhor escore emprenham mais durante a estação reprodutiva. A Alta recomenda que as matrizes sejam monitoradas durante todo o ano, estabelecendo metas de ECC no início da IATF, desmame e principalmente ao parto. O planejamento nutricional e monitoramento das vacas é primordial para uma estação de monta de qualidade, com melhores resultados. 

Terceira dica: a capacitação técnica da equipe. A Alta é parceira do produtor e realiza treinamento adequado para os colaboradores da fazenda, tendo vários centros de treinamentos por todo o Brasil, além de desenvolver treinamento “in loco”, ou seja, dentro das propriedades rurais. O resultado da estação reprodutiva é dependente de vários fatores, ter uma equipe capacitada tecnicamente para o manejo de curral com os animais, maternidade e o ato de inseminação em si é imprescindível para a sucessão da atividade. É necessário conhecer os protocolos de IATF, bem como a correta realização dos mesmos por parte da equipe da fazenda.    

A quarta dica é a escolha do sêmen. A escolha do reprodutor que vai ser utilizado ou da raça é extremamente importante para garantir que o produtor consiga alcançar os seus objetivos e metas produtivas do projeto pecuário. A Alta também auxilia o produtor nesse sentido, através de uma ferramenta única no mercado, o Programa Plano Genético, onde é possível criar índices personalizados dentro dos critérios de seleção. “De acordo com os objetivos do produtor, estabelecemos as premissas para a criação de um índice personalizado da propriedade, que permite identificar quais são os melhores touros dentro da bateria Alta Genetics e conseguimos garantir o potencial de entrega daquela genética  de acordo com os objetivos e sistema produtivo da propriedade”, conta o técnico. 

A quinta e última dica, mas não menos importante, é a utilização de touros com boa fertilidade em programas de IATF. A fertilidade é uma característica do indivíduo e ainda não foi validada pela ciência uma avaliação de predizer a fertilidade do touro. Para chegar nessa conclusão, é analisado o histórico de IATF do reprodutor, através de um banco de dados e uma análise estatística robusta, garantindo a acurácia das avaliações de fertilidade do sêmen utilizado. “A Alta traz também pelo Programa Concept Plus, que é o maior programa de reprodução de vacas de corte do mundo, a identificação dos reprodutores com os melhores resultados nos protocolos de IATF. Todos que são identificados pelo Programa Concept Plus possuem garantia de bons resultados  em protocolos de IATF”, concluiu Adnan.      

Sobre a Alta 

A Alta é líder mundial no mercado de melhoramento genético bovino. Com matriz em Calgary, no Canadá, atua em mais de 90 países com nove centrais de coleta: Brasil, Estados Unidos, Canadá, Argentina, Holanda e China, onde é a única central com licença para produzir sêmen no país. Com mais de 25 anos de história no Brasil, a Alta mantém escritório administrativo e moderna central de biotecnologia e difusão genética em Uberaba/MG, onde anualmente recebe mais de 12 mil visitantes. A empresa visa melhorar a lucratividade de cada rebanho, por meio da entrega genética de confiança e serviços de manejo com alta qualidade. A Alta contribui diariamente com o desenvolvimento da pecuária mundial pela sua estreita relação com o pecuarista, auxílio de profissionais altamente qualificados, modernas instalações e emprego de tecnologias pioneiras. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui